sexta-feira, 28 de março de 2008

Werewolf Hunt - Supernatural

Eu já não havia conseguido dormir a noite inteira, quando dei por conta, já eram quatro horas e trinta minutos da manhã. Eu tinha total convicção de que manteria-me acordado, afinal este novo dia tinha um destino e uma história pra ser contada. Tudo começa com a idéia de uma viagem para caçar aquilo que se pensa não existir, em um lugar tão remoto que pouca gente costuma chegar inteiro. Enfim, decidimos eu e Johnson, sim, eu Jack e meu amigo Johnson, mais conhecidos como Jack e Johnson, ir a Marques de Souza para rastrear um Wendigo.

Compramos duas passagens, e por mais que o sono me abatesse constantemente eu continuava perseverante. Nos encontramos na rodoviária, pegamos algum equipamento, claro que não para matar alguma coisa, mas para sonharmos por um dia, que ainda podemos vivenciar o que pudermos sonhar. Não existem mais pessoas matando Lobisomens, ou rastreando Wendigos, mas aqueles abobados que por sua vez unem-se para fazê-lo estavam de volta, e assim que o ônibus os deixou às margens da serra, começaram a caminhar, como dois colônos no interior. Fizeram aquela longa jornada por muito tempo, e à medida que subiam o morro, cansavam rapidamente, algum chocolate pós-páscoa-sobrevivente foi usado para alcançarmos mais alguns passos, mas não foi suficientemente energético, para levar-nos até a chácara. Decidimos após algum debate subir em uma monte para vermos a paisagem da serra, e foi bastante engraçada cair do morro algumas vezes.
Antes do fim do dia, descemos as montanhas por trilhas fechadas, montamos acampamento, fizemos um almoço improvisado, nos embebedamos com suco de laranja em alta concentração, pescamos um Cascudo no rio, decidimos voltar pra casa, e quando conseguimos chegar novamente ao ponto de ônibus, nos sentimos abençoados por ele estar saindo naquele momento, e podermos ir com ele. Voltamos com histórias engraçadas e com ânimo novo de vida, rindo das músicas estranhas que tocavam nos ônibus e da maioria do pessoal que voltava conosco, fazendo do final de semana, um conto a mais para os netos que virão um dia.

Portanto, aprendo que não importa se você sonha estrapoladamente, ou se exaspera ao ouvir falar daqueles que zombam de suas idéias. Sonhar em viver o que ninguém acredita, te traz felicidade pelo fato de encontrar mais pessoas que partilhem de tua fé. Sonhe alto, e viva teu sonho, mesmo que o ponto de partida fique a kilometros da sua montanha. A verdade é que precisamos descobrir quem somos, através de nossa imaginação e fazer-se possível viver as boas ações, enfim, vivenciar o que você acredita.

Ô velho, esse barulho é de porcos?

4 comentários:

Lauren disse...

Faaala arroz!
no momento não estou inspirada pra deixar um comentário muito produtivo. Resolvi deixar este para mostrar que não esqueci de passar aqui. até mais ver. =]

Lara* disse...

-absolutamente NADA a ver com esse seu post!-
Sei que vc naum tem mais o objetivo de escrever todos os dias aqui e tudo mais, por falta de tempo, talvez de ânimo... Sl, o que importa é que, eu venho TODO santo dia esperando ler algo seu e nada! escuta aqui ô cabeçudo... Sou uam mala mesmo, e acho mto bom vc escrever logo ein ¬¬ uahsaushaushash

Beijo
:*

Johnson disse...

Bah, tem que ser mto animal pra fazê um troço desses!!
uhauhauha
Prazer, meu nome é Johnson.
hehe

Foi legal invadir outra propriedade por desepero já que não iriamos conseguir chegar até a chácara!
hahahahaha
Foi fera, não tivemos grandes problemas ...pobre Tommy...

Eu tenho que adimitir que não foi o suficiente durmir 2 horas pra carregar aquela mochila que tinha pelo menos uns 10kg morro a cima e mato a baixo hehehe

Mas sobrevivemos!!

Da proxima vez iremos de carro e acamparemos na chácara, pra sobras energia pra caçada noturna.

Abraço David!
PS:não comente sobre a mulher de branco do caminho...

Duper Uper disse...

o que é um wendigo, duper?! o.O