quarta-feira, 26 de março de 2008

Collision

Sentado naquele banco de praça infantil um pouco extaseado, eu pensava sem pensar por alguns minutos naquela manhã particularmente fria. Haviam algumas crianças brincando junto à sua mãe na gangorra e por mais graciosa e atrativa que a infância possa ser, tudo que me ocorria naquele momento eram divagações sobre o futuro que pairava ao meu redor. Um momento sobre certas histórias quase esquecidas, que te fazem recordar o quão importante é colidir com as paredes da vida, para que seja possível enxergar as lições por inteiro que você deve aprender.

Quando começamos o dia fora da rotina normal, encontramos um desfiladeiro que transmite insegurança, o mundo parece um pouco desprotegido e para todo lugar que você olha, apenas se vê o desconhecido. O pior de tudo, é encontrar uma maneira de contar para aqueles que ainda não entenderam o porquê de seu horário ter mudado tão de repente. Não que seja difícil e muito menos assolador, mas custa ao cérebro humano, despir-se de sua acomodação e mergulhar no oceano do desconhecido.
Um dia você cria coragem, enfrenta seus problemas, e entende que nem tudo era tão difícil como você pensava, que aquele medo que sentiu, imaginando mil e uma maneiras de repreensão não passava de uma aceitação cheia de conselhos à moda antiga e que no fim das contas tudo poderá voltar a ser como era substituindo os velhos problemas pelos novos. Uma amostra do quanto vivemos acomodados esperando por um tipo de colisão repentina que salva nossas vidas do anonimato e nos torne heróis procurando respostas.

Quando você conseguir levantar do banco da praça, dar um sorriso pras crianças, e começar a caminhar em direção à sua casa, saberá que não há mais o que temer, e que está pronto pra recomeçar. Preparado mentalmente, para suportar todo tipo de catástrofe ou dano que o mundo possa tentar usar contra ti. Meu conselho é de que levante logo do banco, porque a vida não espera por ninguém que feche a cara e esqueça das crianças na gangorra.

Que tal a gente comprar aquele sofá ali?

10 comentários:

Anônimo disse...

david.... como sempre tu postando umas coisas tao bunitinhas!

bjoooo
c cuida guri
=**
Karou

Maiquel disse...

hahaha
pod dxa, vo levanta logo do banco
n podemos mesmo dxa o tempo passar

os problemas acabam aparecendo de qlqr forma na nossa vida, n adianta se esconder

concordo com o texto de hoje!
mais um para o futuro livro do David
hehehe

tu tava meio parado com eles, achei ate ki ia para de escrever mas ainda bem nao, ta postando uns mtos bom agora!

feraa meu hehe, espero ki ninguem coment ants de mim otra vez!

vlwww

Maiquel disse...

ah naoo!

Gê disse...

parabéns guri! vc escreveu um texto muito legal.. que de primeira parece uma viagem, uma loucura, mas nos faz pensar!

Vou aparecer aqui mais vezes para ler seus textos!

bjos!

Mah disse...

Oi :)
Eu vim postar um mega super hiper master comentário pro David!
Ahh, eu gostei do texto, e principalmente dessa frase "Não que seja difícil e muito menos assolador, mas custa ao cérebro humano, despir-se de sua acomodação e mergulhar no oceano do desconhecido. "
É, muitas vezes a gente se sente assim meeesmo :/
Beijo

Priii disse...

olha eu aquiii õ/
o blog ainda vai ficar nos favoritos david, pra mim olhar tudo ;p

BINA disse...

David...n to mto inspirada p comenta...mas... uhauhauahua cara n tm o q fala...o q tu escreve sempre eh lindo...ñ sabia desse dom maravilhoso q vc tm...sempre q puder qro ler esses textos e refletir sobre eles...Parabéns...amei o q li...como sempre...auhauhauha
Beijooo t adoro amigooo c cuida t+++
BINA

lagarto disse...

cara,
tu sabe que isso pode ter me ajudado a fazer uma grande escolha em minha vida?

pior que é sério mesmo

um dia eu te conto, hehe

parabéns, tu até que escreve bem pra um violinista.
digo.

:-D

Lúcia disse...

profundo... não sei o que comentar.. foi demais para minha capacidade intelectual, e tenho dito.

Mas sério mesmo.. tá tri.. faz a gente pensar.. vou até colocar nos meus favoritos! :)

o/

Duper Uper disse...

amei esse! =D
eu sou dessas que quando uma résquia de vida muda, tem de ficar um bom tempo trancada dentro de mim mesma pra me acostumar e me encorajar para aquilo.
sempre dá certo. =]
=*