sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Ecos, silêncio, paciência

A melhor escolha em momentos onde a esperança não aparenta perdurar é começar a sonhar. O sonho é um dos grandes amigos do homem desde os mais antigos tempos. Sendo assim, quando você se sente um pouco triste, abatido ou até mesmo desolado, uma solução bastante eficaz é desejar algo importante, traçar uma meta ou iniciar um projeto. Pelo simples fato de pensarmos que algo novo se aproxima e que é desejável aos nossos olhos, corpo e mente desprendem-se dos males facultativos, que em sua maioria são os principais causadores do mal estar. Em outras palavras, uma boa saída antes que a tristeza tome conta, é colocar o lápis e papel na mesa para começar a desenhar seu futuro.

Eu não acredito em ninguém que tenha deixado de sonhar, porque já deve estar morto, e por assim dizer, nada deve possuir para me oferecer. Também não confio em auto-suficientes, porque não existe homem que tenha cessado de desejar mais da vida. Enfim, não me atenho àqueles que deixaram o arado no meio do caminho e estão esperando que comece a chover. Uma vez descobri que nem todas as coisas me pertenciam, mas que a maioria delas para que pudessem ser minhas, necessitavam de meu trabalho e merecimento. Assim são os sonhos, nem todos estão nas minhas mãos, mas aqueles que assentam-se na estante mais alta, são os que necessitaram de maior empenho para serem alcançados.
A vida nunca foi um mar de rosas e para cada passo que damos nela, ocupamos uma quantidade de oxigênio, e é esta respiração que nos mata pouco a pouco mesmo sem percebermos. Em suma, para cada conquista de nossas vidas é pago um preço diferente, e raramente tem um mesmo valor. Perdendo o nosso tempo, bens e sentimentos acabamos investindo em novos desejos, estes acabam sendo ou não proveitosos no futuro. Tudo resume-se a nossa humanidade, em estar fadado ao desejo tão prazeroso que é conquistar o novo, assim talvez somos e seremos por muito tempo, homens com os corações voltados a ter mais, ou ser mais, onde apenas persistirá um desejo único, que espero eu, seja de crescer interiormente.

Somos o que sonhamos, ou pelo menos parte deste frase para aqueles que tem muito dinheiro. Bens materiais sem metas são apenas bens materias, e assim por diante com todo o sistema financeiro. O amor sempre deve seguir os sonhos, que por sua vez levará os desejos a não serem apenas comprados, mas sim vivídos, de preferência com alguém. Uma meta traçada sem amor é como vencer uma maratona sozinho, sem ninguém para aplaudir, entregar o troféu, ou abraçar na linha de chegada. Apenas o eco e o silêncio.

E então chegamos ao 100º post!

Um comentário:

Leticia Dutra disse...

Parabens pelos 100 post! (:
Infelizmente eu comecei a leer eles naum faz muito tempo! Mais qualquer dia desses vou dar uma olhada nos primeiros! ;} hehe

É verdade tudo o que vc disse hooje, ninguem vive sem sonhar! São os nossos sonhos que nos fazer criar forças para seguir em frente. Nós sempre temos que ter uma meta, um objetivo! ;)