quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Respire fundo

Eu olho para minha vida, para as minhas histórias e enxergo cores. O ontem, o agora, o depois, nada mais importa neste momento. Este momento, em que eu me deito em pensamentos vastos, coloridos, cheios de aromas interessantes, extasiantes, e me delicio em saber que você está aqui. Nenhuma ocasião precisa motivo quando você surge, nada necessita de explicação, tudo é perfeitamente planejado, e mais uma vez, eu entrego-me a este sentimento explosivo, alegre, vivo, que me faz lembrar o quão agradável é o teu olhar.

Sim, eu me lembro da primeira vez que eu enxerguei aqueles olhos, não, talvez eu lembre da expressão. Eu não precisei de um sorriso exagerado, de uma camisa com botões de madeira, nem ao menos de sapatos sociais, talvez devesse ter usado uma gravata. Não. Eu comprei o que merecia ser dito, e disse o que merecia ser gravado, mas não gravei, improvisei. A vida nunca foi um improviso, e era hora de viver uma sensação que me fizesse despertar do meu mundinho adaptado a premiditações.
Eu me sentei em um banco de madeira, um pouco sujo pelo vento com suas cores, eram tantas cores, tantos batidas do coração, tantos porquês sem sentido, e muito medo. Medo sim, medo de perder, medo de não ser, medo de não ter. Eu não sabia o que tinha, e apenas uma idéia de para onde ia. Alguém me esperava e contava os minutos, alguém não me esperava e contava as horas. O meu tempo havia acabado, diziam as ondas ao fundo.

As ondas tinham formato de som, som que agoniava, que me desencadeava, me deixava pasmo com o que aconteceu. Sim, eu usei um sorriso exagerado, um calção amarelado, mas a gravata guardei. Comprei o que havia dito, disse o que comprei, improvisei o que não sabia, e pela primeira vez me senti bem. Vivo, morto, vivo, não sabia, e até hoje nem o sei, tudo rodava e eu queria pular. Quão bobo sentia as pernas a balançar, coração não batia, via cores, e tudo que eu conseguia, era lembrar do teu olhar.

Oi, eu queria falar com você... E eu digo muitos oks...

2 comentários:

Leticia Dutra disse...

Que lindo Davii *.*
Me transmitiu uma tranquilidade, não sei explica bem o sentimento..
Senti muita sinceridade, palavras simples e profundas!

"É, é... Ok ok"
siouahiush
nuncaa esquecerei disso! (:

Leticia Dutra disse...

"e mais uma vez, eu entrego-me a este sentimento explosivo, alegre, vivo, que me faz lembrar o quão agradável é o teu olhar."

vc me deiixa sem palavras!
eu nunca³ vou esquecer aquele dia, aquelas confusões, aquela chuva (risos) x)
os teus "oks", os "é", a músiica...
tanta coisa! Coisas boas Davi..
Coisas que jamais serão esquecidas!
Saudades grandes de vc tb, imensas..
Vontade que venha passar um outro verão nessa cidade :)
Só que dessa vez, sem confusões nos horarios.. uaihsuhs