segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Tartarugas e pássaros

Vamos fingir por um momento que tudo está bem. Acho que era isso que eu pensava quando a situação era exatamente contrária. Eu lembro que quando mais jovem, procurava lugares onde eu pudesse enxergar longe, muito longe na verdade. Me levava a entender que eu não queria possuir um império, mas poder apreciar o que tinha. Enfim, as constantes idas a lugares vastos eram uma boa desculpa pra tentar escapar dos problemas diários. Nunca fui um fã de problemas, e a maioria das pessoas acredita que o tamanho deles somos nós que fazemos. Mas depois de alguns anos, alguns descobrem que a vida não é tão simples e que não existem mais lugares altos pra assistir a cidade quando tudo foge do controle.

Respirar fundo, contar até dez, tentar fechar-se no seu mundo, métodos que funcionam apenas por uma vez. O segredo é dizer pra você, pro seu espírito, que tudo está bem. E se não está, você tenta fazê-lo acreditar que está. Porque se o mundo é uma grande cozinha e as aflições são os barulhos de talheres e pratos batendo impertinentes ao redor, a solução é saber conviver com tudo isso, é fazer assim desta uma situação diária. Com o tempo alguns de nós pegam o jeito, e o que antes era algo que costumava nos aborrecer tranforma-se no comum dia a dia.
Saber tomar conta do seu eu, da sua vida, sem nem ao menos preocupar-se com o que o meu redor está dizendo. E quem conhece o amigo é aquele que com ele está. Ou aquele que com ele não está. Ninguém conhece o amigo, simplesmente o conhece. Não procura saber quem é, já sabe há muito tempo. Ninguém entende nada, nem as palavras, nem os amigos, nem os problemas, afinal, nada é de graça, nem sem esforço. Somos parte de um sistema em função. Uma função sistematizada que talvez seja resolvida por nós mesmos.

Poderíamos nós apenas respirarmos, contar até dez, dizer que tudo está bem, tentar convencermo-nos disso e um dia, talvez, com muita sorte, esperar que isso seja comum. Até lá, cuide de si, porque é a única fórmula que me vêm a mente no momento. Eu não me preocupo com você, porque existem um milhão de pássaros lá fora com fome. Nem com as meninas que dizem ser apaixonadas por pássaros, a maioria delas prefere tartarugas.

Ver o velho homem, de um novo ângulo, quebrantar a alma, deixar o espírito livre...

Um comentário:

Leticia Dutra disse...

a sua comentarista preferida hoje esta com sono e não sabe o que comentar.. auishiuash x) (to mi neeh)

aah Davi.. adoro o jeito que vc se expressa.. mtu bom.. e é bem verdade mesmo, na real, ninguem conhece ninguem por inteiro!
nem nós mesmo nos conhecemos! ;~