segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

The search for something more

O meu coração parou. Parou por algum momento, por tanto tempo que eu não consegui contar, eu não sabia se estava morto, se o mundo todo estava caminhando em camera lenta, ou se o único surpreso era a minha pessoa naquela rua. Eu não sabia se tinha tomado um susto, porque durou muito tempo, naquele relógio que contava os biolionésimos de segundos das manhãs de segunda-feira. Eu fechei os olhos, e deixei que aquela brisa levasse os meus pensamentos embora, que limpasse minha mente, meu corpo, alma. Livre. Caminhando em uma rua cheia de flores, amarelas e verdes. Havia alguém em vermelho.

Qual o nome desta escuridão? Onde ela se esconde, porque tenta nos levar com ela, onde estamos, ou o que queremos? Ninguém tem a mínima idéia. Ninguém sabe responder perguntas complexas, ou dizer qual o sentido dos logarítimos naquelas folhas sobre a mesa da cozinha. Ninguém sabe me dizer qual o nosso caminho, nem uma pessoa, nem um amigo, nem um parente. Ninguém. Abro meus olhos, arregalados, eu olho aquela rua, vermelho, sentado, vermelho, pálido. Só existe uma coisa a saber. A maior. Amar, amado, retorno.
Respire fundo, isso, só uma vez. Feche os olhos e pare de ler. Isso, largue das palavras, deixe a vida te dizer o que fazer pra variar uma vez. Porque eu quero me agarrar aos pensamentos que valem a pena. Ao mundo que está esperando alguém do outro lado da rua, lua, chuva. Me atravessou o coração a menina sentada, ou aquela que me desenterra o passado, ou aquela tristemente sentada no gramado, lanchando sozinha. Tristemente.

Então me quebra ao meio, e me molda mais uma vez, porque eu repito, tudo que eu disser, fizer, moldar, vai dar certo. Não importa quantas vezes tentem desfazer meus nós, ou apedrejar minhas janelas. Algo está explodindo dentro de mim, e algo está começando, ouça. Você consegue ouvir? Alguém está cantando, alguém está morrendo. Vermelho, preto, nos braços, choro de criança. Amar, amado, retorno. Revolução que acaba de começar, e quando terminar, a parte mais difícil é abrir um leve sorriso e dizer. Acabou.

All you need is love

Um comentário:

mah disse...

more than perfect.
não sei porque, mas falar contigo hoje me fez ganhar meu dia.

saudades que não se dissipam.
=*