quinta-feira, 19 de março de 2009

Ainda há tempo

Você já se perguntou se alguma vez salvou alguém. Talvez por esbarrar em alguém e por causa deste pequeno atraso, ser quase atropelada por um carro. Ou avisar que o cadarço estava desamarrado, talvez você não seja o tipo que se atira na frente de uma bala, mas pode ter salvo alguém, e por pensar pouco imagino que podemos salvar mais que uma vez. O mundo é lotado de pessoas cheias de esperança e sonhos. Seres humanos doidos por uma grande chance, uma única chance que pode mudar suas vidas, a qual não sabemos quando chegará.

E se eu dissesse que ninguém sabe do que se trata a vida, e que todos nós vagamos, corremos e caminhamos com idéias que talvez não fossem bem a idéia. Acreditaria em mim? Acho que não. Estamos demasiado acostumados a viver caminhando atrás do material, do espiritual, do emocional, do familiar, que às vezes esquecemos que o comum, o que todo mundo quer, o que o todo deseja, talvez possa ser questionado. Ninguém sabe onde estamos, e isso não quer dizer nada.
Ninguém sabe do que fala, e quando uma pessoa opina sobre o todo, conta mais falando sobre si, do que sobre uma comunidade em comum. A pressa na sociedade causa um tipo de catalisador humano. Ninguém está exposto quando você passa pela vida correndo e olhando para os dois lados da rua. Porque ninguém está olhando pra você. A pressa tira todo prazer em viver plenamente, e se alguém decide virar lerdo, morre, perde, dorme urge das sombras inconciente sem saber o que perdeu.

Talvez eu devesse aproveitar melhor os dias, aqueles do jardim de infância, não. Os da escola, não. Os do trabalho, acho que sim. Todos os dias, eu sinto que encontrei um ótimo lugar pra trabalhar, e da mesma maneira todos os dias, eu sinto uma voz me chamar dizendo, seu lugar não é aí, nunca te pertenceu. Eu tenho ouvido alguém me dizer que estou no lugar errado por duas semanas, e não sei o que fazer. Em tese sei, em fato não posso. Não ainda, não agora, O tempo me chama, e eu assisto tudo daqui. Digo, agora não posso.

Agora não é hora, ainda não, ainda não posso te contar, o que é, ainda não chegou o tempo!

2 comentários:

Leticia Dutra disse...

Saudades.. ;x

Leticia Dutra disse...

Saudades.. ;x