terça-feira, 7 de outubro de 2008

Direções opostas

Eu não sabia pra qual lado olhar, pra que direção fingir focar aquele interesse tão exasperado. Havia uma aglomeração enorme, um fluxo contínuo caminhando em direções opostas enquanto os primeiros pingos da chuva caíam. Eu estava parado de alguma maneira, que no momento me parecia inexplicável, eu não tinha motivos pra sair do conturbado movimento de pedestres, pior que isso, eu não queria sair. Eu ainda pensava naquele abraço, naquelas pessoas, no meu recém-passado findado. Então saí a caminhar.

A chuva sempre me fez bem, me lembrava que havia alguma maneira de se limpar, daquilo que não queremos resolver, dos problemas em que não desejamos pensar, e nas situações que não gostamos de imaginar. Haviam tantas peças naquela rua, tantas histórias. Talvez a minha não fosse a mais interessante como a da moça que corria com a aliança perdida, ou o garoto que não tinha pra onde ir. Mas eu estava lá, e tudo que eu fiz, foi caminhar para casa.
Quando eu caminho pela cidade, me descubro mais uma vez. Toda vez encontro respostas que me lembram das coisas que importam, e aproveito pra continuar montando aquele quadro de pensamentos aleatórios. Porque eu não tenho pra onde olhar quando todo mundo está sem rumo. Quando as pessoas andam de encontro aos seus destinos, eu lembro que não sei pra onde andar. Qual a direção, nem ao menos uma bússula tenho. Então fico parado, esperando o próximo movimento.

Eu posso caminhar para qualquer direção, dizer o que eu tiver vontade, viver sem a presença quem eu quiser. Mas eu quero seguir uma direção apenas, dizer apenas o que for importante e viver com uma centena de pessoas especiais. O tempo só fica claro, e as nuvens dispersam quando eu decido uma direção. Até lá eu finjo não ter visto a menina caminhando, nem a aglomeração desesperada a caminhar sem rumo. Enquanto isso, eu tento descobrir meu caminho.

Não é que eu pense que nada conta, mas é que não é como seguir as intruções!

Um comentário:

Leticia Dutra disse...

No final sempre temos um rumo!
Só que as vezes temos dificuldade de perceber qual é! (: