quinta-feira, 30 de outubro de 2008

A praia

Acho que faz muito tempo que escrevo tanto, como neste mês. Na verdade já faz muito tempo desde que tenho o blog. Tanto que já me acostumei com ele. No início ele era apenas um pedaço de programa para o qual eu contava o que sentia, minhas histórias, e algumas lembranças. Hoje, parece que mudou. Ou seja, com o tempo eu me apego com o que convivo. E assim sempre foi. Com as pessoas, com os animais, e com lugares. Sabe, existem lugares com pessoas que me fazem lembrar tudo e mais um pouco. Que me levam as histórias que valem a pena lembrar.

Às vezes até me bate uma saudade da comentarista preferida. Deve ser a quantidade de chuva. Provavelmente. Ou não, talvez não seja só aquelas gotas fazendo barulho na minha varanda. É que toda aquela areia, e aqueles pássaros, aquelas tardes quentes e nubladas em que eu corria de uma praia a outra sem parar, procurando respostas em meio a todos os meus fôlegos e respirações. Nem tudo foi como eu queria, ou pelo menos nem todas as minhas respostas foram concedidas em apenas quinze dias.
Verão chegou de novo, e com ele a minha fome de sorvete, de caminhar na calçada quente depois daquela chuva enorme de tarde. Bem, eu trabalho, e esse ano sem férias. Quem sabe o que eu posso fazer pra conseguir ir no show da Hillsong. Quem sabe, mas a verdade é que tudo está perigando a não haver um feriado, como o da praia, indo e voltando no mesmo dia. Eu estou bem, o trabalho está bem, e ultimamente eu até tenho me sentido mais do que bem. Pelo menos não preciso de prova para isso.

A locadora tem sido o que eu esperava, e espero, esperando, esperado que continue assim. Nada fora dos conformes, serviço bem elogiado. Bem feito. Com metas, com sonhos, mesmo que sejam do tamanho que eu posso comprar. Um dia eu arranjo meu próprio avião, enquanto isso, compro um carro. E no mais, é tudo questão de tempo, de respirar sossegado e dizer como estão as coisas, eu tenho tido impressões variadas, e tudo é uma maneira diferente de descobrir o quão longe estou de ser diferente.

A gente podia doar sangue na segunda não? Acho que preciso dormir mais cedo!

2 comentários:

Leticia Dutra disse...

de onde vc tirava as suas inspirações? (:

Leticia Dutra disse...

realmente agora eu nao sei o que dizer..



é, nem tudo as vezes acontece como queremos! Essa é uma dura verdade. ;/
Nem tudo foi como queriamos..
saudades! é, talvez essa seja a palavra que encaixa perfeitamente no meio disso tudo. no meio da chuva toda, no meio da musica engraçada, no meio daquele verão nublado e as vezes chuvoso!

Simplesmente adorei esse post (;