terça-feira, 21 de outubro de 2008

A maior de todas as faltas

Hoje eu quero que você leia meus pensamentos. Eu fiz uma lista, contendo todas as coisas que eu espero realizar até o fim da minha vida. Sou uma pessoa cheia de processos e este é o porquê da lista. Eu sentei com minha mãe, e no meio das nossas muitas conversas descobri que havia me perdido na acomodação. Em deixar os sonhos irem, e nem ao menos pensar em arranjar um alvo. Eu confesso que me senti vazio quando tudo com que eu sonhava era ser feliz, sem ao menos saber como chegar lá. Era como se eu andasse em uma longa estrada. Vazia, deserta, sozinho.

Meu primeiro passo foi pensar no que eu quero, e no que eu deveria escolher, e foi então que eu enxerguei. Eu não sei bem o que quero. Tenho esboços, e alguns sonhos bem impossíveis a olho nú. Quem olha minha fila de desejos a longo prazo logo enxerga muitos impecilhos. Deveriam me dizer isso antes de querer encontrar coisas tão preciosas. A primeira delas seria comprar uma vaca. Ninguém provavelmente entenderá o motivo, por ser tão pessoal. Mas se eu o fizesse teria certeza de ter feito a coisa certa. Talvez eu devesse escutar alguém me salve mais uma vez. Eu queria uma conexão que não existe mais. E que provavelmente nunca mais existirá.
Eu descobri que quero tudo aquilo que todos querem, mais amigos, mais dinheiro, um amor, uma vida estabilizada, um pouco de aventura na juventude. Uma vida programada. E desejar tudo isso só para que o meu plano venha a não ser como eu queria. Porque se tem algo que aprendi, é que não posso formular a vida para que siga meus resultados. Eu preciso improvisar em tudo. Eu sinto demais e escrevo demais. Ouço pouco e me alegro com o que ouço. Às vezes acho que falo com as paredes. Eu só quero o que todas as pessoas querem. Você de volta.

Eu pensei em pescar com meu vô, aulas de dança, break talvéz, dança de salão, abrir um grupo de teatro, filmar os programas da galera, e em alguma ocasião aprender a tocar um novo instrumento. Eu pensei em escrever algo que inspirasse as pessoas, eu quero mudar vidas, só com palavras. Eu quero ver multidões, por dos sóis, passear em parques, fechar os olhos sabendo que não estou só, e abrí-los da mesma maneira. Assistir filmes e ter quem olhar quando disse, viu só! Talvez seja disso que eu sinto mais falta. A maior de todas as faltas.

"...Porque é isso que as pessoas esperam de mim, é o que elas esperam que eu seja, elas esperam que eu seja assim, e é por isso que eu sou assim. Eu deveria ser o que eu sou..."

Um comentário:

Leticia Dutra disse...

Oi, tudo beem? (: